10 dicas nutricionais simples e práticas pra facilitar sua vida!

Escrito por Julia Murça

10 de abril de 2019

Que tal 10 dicas simples sobre o que fazer e o que não fazer na construção da sua Saúde Vigorosa? Se você acha que dá trabalho cuidar da saúde, imagine viver sem ela.

1. ALIMENTE-SE COMO A NATUREZA PLANEJOU

 

A natureza não nos criou para comer refeições prontas, cheias de conservantes e produtos químicos artificiais. Nossos antepassados ​​sempre viveram em simbiose com a natureza e todo o organismo do homem foi desenvolvido e está preparado para receber uma alimentação natural. Ou seja, coma mais plantas!

É simples: coma mais comida “viva” e coma menos comida “morta”! Em geral, o recomendado é alimentar-se com muitos vegetais e frutas (com uma ampla variedade de cores e de preferência, produtos da estação), ervas, algas, cogumelos, castanhas e sementes germinadas, iogurtes vivos, ovos caipiras e peixes selvagens.

2. ESCOLHA ORGÂNICO SEMPRE QUE POSSÍVEL

Frutas e vegetais orgânicos contêm mais vitaminas e minerais.  Essa riqueza nutricional é potencializada se essas plantas forem colhidas maduras e cultivadas localmente.

Além disso, o uso de fertilizantes químicos, pesticidas e organismos geneticamente modificados, comprovadamente tem efeitos prejudiciais para nossa saúde reprodutiva e para o sistema hormonal, além de sobrecarregar o fígado.

3. CONSUMA SUCOS VERDES

Ao invés de pegar um pacote de chips, opte por um suco ou refeição líquida que te entrega rapidamente vitaminas, minerais, fibras e enzimas. Nós chamamos isso de refeição instantânea! É por esse tipo de alimento que suas células clamam.

4. LIMITE A SUA INGESTÃO DE GRÃOS CONTENDO GLÚTEN

O glúten é uma proteína complexa encontrada em grãos como trigo, centeio, cevada, triticale e aveia contaminada. A doença celíaca e a intolerância ao glúten estão se tornando mais prevalentes e, mesmo aqueles que não são diagnosticados com sensibilidade ao glúten, podem perceber como a redução da ingestão dessa proteína é benéfica.

O glúten irrita e danifica o revestimento intestinal, causa inflamação e diversas reações imunológicas, além de contribuir para o aumento da permeabilidade intestinal, o que gera vários problemas de saúde.

Use e abuse das minhas receitas sem glúten que você encontra aqui no Blogue.

5. FIQUE LONGE DE PRODUTOS DE AÇUCARADOS

Muito açúcar refinado pode levar a altos e baixos níveis de açúcar no sangue, causando alterações de humor e compulsão alimentar. Essa “montanha russa de açúcar no sangue” está associada a um maior risco de doença hepática gordurosa, resistência à insulina, doenças cardíacas e diabetes tipo 2. Opte por alimentos que naturalmente tenham uma carga glicêmica menor ou que tenham um baixo índice glicêmico (baixo IG). Se você for comer alimentos ricos em açúcar e carboidratos, é melhor combiná-los com gorduras saudáveis, ​​para estabilizar a absorção de glicose na corrente sanguínea. Evite alimentos adoçados com xarope de milho, rico em frutose HFCS. Aliás, xaropes de milho,  glicose e adoçantes artificiais são os piores.

6. COMA GORDURAS

As pessoas que estão tentando perder peso, muitas vezes tentam ingerir pouca ou nenhuma  gordura. A razão por trás disso é que a gordura contém mais calorias por grama do que carboidratos e proteínas. No entanto, gorduras boas e colesterol são essenciais para a absorção da maioria dos nutrientes e para a produção de hormônios. Assim, é importante não evitá-los. Você acha esse tipo de gordura boa em cocos seco, óleo de coco, manteiga de cacau, peixes selvagem, ghee e queijos curados orgânicos (provenientes de vacas alimentadas com capim), azeite de oliva extra virgem prensado a frio, castanhas, sementes e abacates. Corte da sua dieta gorduras trans oxidadas, responsáveis pela formação de radicais livres e encontradas em cremes de margarina, biscoitos, batatas fritas e óleos vegetais refinados e processados ​​que contêm óleo de cártamo, girassol, milho, soja e canola.

7. SEJA INTELIGENTE NA COZINHA

Prepare suas refeições com cuidado. NÃO utilize microondas. Coma mais alimentos crus. Não cozinhe demais seus alimentos. Diminua a temperatura na cocção. Não frite – é melhor refogar em óleo de coco, ghee ou manteiga, estável ao calor, em fogo baixo a médio. Aprenda técnicas de preservação e melhoria de nutrientes, como fermentação, imersão e ativação.

8. PROCURE FONTES ÉTICAS E SUSTENTÁVEIS

Ao comprar ovos, laticínios e carne, é muito importante saber de onde vem sua comida. As toxinas (substâncias químicas) são armazenadas principalmente em células de gordura, ou seja, você consome esse lixo quando come alimentos contaminados e sem procedência. Ao consumir produtos de origem animal que foram cultivados organicamente e em liberdade, você se livra de hormônios e antibióticos também.

9. EVITE ADITIVOS QUÍMICOS

Leia os rótulos! Aditivos alimentares químicos podem causar um enorme estrago no seu sistema hormonal. Em geral, evite os números “C14”. Tenha um especial cuidado com o intensificador de sabor Glutamato Monossódico, que engana nosso cérebro para que pense que precisamos comer em excesso. Esse produto vem disfarçado sob os seguintes nomes: E621, ácido glutâmico, óleo vegetal hidrolisado, extrato de levedura e glutamato monocálcico. É frequentemente encontrado em sopas prontas, batatas fritas, molhos e biscoitos.

Mais uma dica, se você não consegue pronunciar o nome que está no rótulo, não o coma!

10. COMA EM UM ESTADO DE RELAXAMENTO

Nosso estômago e nosso sistema digestivo são muito sensíveis. Comer apressada, em trânsito ou nervosa, irá colocar seu corpo em um estado de “luta ou fuga” que por sua vez, comprometerá ou até mesmo interromperá seus processos digestivos e a absorção de nutrientes. O que não digerimos pode se transformar em fermentação bacteriana, inchaço abdominal ou ser armazenado, gerando sobrepeso. Certifique-se de estar sentada, em ambiente calmo e tranquilo,  aproveitando o tempo para desfrutar de sua refeição em um estado relaxado e com intenção de nutrir-se.

 

Comentários