7 dicas para o sucesso na mudança de Estilo de vida

Escrito por Julia Murça

16 de novembro de 2019

Era uma vez

Quem me vê hoje pode pensar que sempre fui saudável, mas na verdade, nem sempre foi assim. Fui criada a base de bolachas cream-cracker, biscoito recheado, MUITAS BALAS e Toddynho®.

 

biscoitos-balas-doces

É incrível como o corpo tem a capacidade de resistir aos constantes ataques e sobreviver. Prova disso é que tem gente que toma Coca-Cola a vida inteira e não morre – vive sem saúde e capenga – mas não morre.

Aos 20 anos eu vivia constantemente gripada, tinha um quadro de infecção urinária frequente e uma candidíase recorrente, que não me deixava em paz. Experimentava todos os tipos de dietas existentes no planeta e alternava entre excessos e restrições excessivas de um momento para outro. 

Aos 30 anos o corpo entrou em colapso. Acima do peso, com uma doença autoimune, com suspeita de câncer, o corpo pedia socorro. Gripe era meu estado natural e herpes na boca vinha mês sim, mês não. 

Alergia respiratórias e de pele faziam parte do meu dia a dia. Mergulhada numa depressão controlada por medicamentos tarja preta. Resolvi que do jeito que estava, não dava mais para continuar. 

Foi assim que a minha caminhada para uma vida saudável começou. Extremamente incomodada, decidi dar um basta. Mas a mudança não foi de um dia para o outro. Muitas tentativas e quedas fizeram parte da história. E foi assim que aprendi detalhes importantes, que fazem toda a diferença, quando estamos tentando mudar nosso estilo de vida. 

Compartilho aqui com você, essas dicas que podem te ajudar na sua jornada para a saúde. 

DICAS QUE VALEM OURO

# 1: Confie no processo e tenha paciência

Quando estamos mudando nosso estilo de vida e hábitos alimentares, queremos que a mudança seja de um dia para outro. Simplesmente não é assim. 

Quanto tempo você gastou cultivando o seu estilo de vida atual? Provavelmente muitos anos, e não vai ser de uma hora para outra que você vai mudar hábitos arraigados. 

A construção dos seus hábitos atuais custou tempo e dedicação. Foi construído em cima de crenças íntimas e familiares. Você é, hoje, fruto de muito trabalho. 

Por isso, perceba que a mudança é um processo. Para alguns o processo é mais rápido, para outros um pouco mais longo. Foque na sua caminhada e aproveite o caminho para se conhecer mais e também aprender a se amar – essa é a chave. 

Quando você começa a se conhecer, entende que suas dificuldades são parte de uma estrutura de defesa desenvolvido por você mesma para sobreviver nesse mundo. Você pode começar a perceber quem você realmente é. Nesse processo, comece desenvolvendo amor por si mesma e se dê a chance de fechar as portas para o passado, perdoando aos outros e se perdoando. A saúde começa aí. 

# 2: Para de falar do passado e visualize o futuro

 

Quando estamos fazendo a mudança de uma vida sem saúde para uma vida saudável, geralmente já estamos muito insatisfeitas conosco e com nossos resultados. Em razão disso, temos a tendência de falar demais que não conseguimos isso ou aquilo. 

Repetimos constantemente que não conseguimos fazer atividade física, que já tentamos de tudo e nada dá certo, que já nos acostumamos e que é assim mesmo. 

Para mudar sua realidade você precisa mudar seu pensamento primeiro e, junto com o pensamento, a palavra. Sua palavra tem poder. 

Pare agora de falar que você não dá conta, não se xingue e nem fale mal de você mesma para os outros, seja sua melhor amiga. 

Depois de parar de falar, você pode parar de pensar negativamente a respeito de si mesma. Cortar as crenças limitantes pela raiz para, realmente,  mudar os padrões de comportamento e transformar a sua vida. 

Se dê um presente hoje e compre um livro chamado “O poder do subconsciente, de Joseph Murphy” e comece a estudar o poder da sua mente e como reprogramá-la. 

Basicamente, você se comunica com seu subconsciente o tempo todo, através de imagens e declarações repetidas e quem comanda sua vida e suas decisões é a sua mente subconsciente. 

Enquanto houver na sua mente consciente crenças limitantes em relação ao seu potencial de mudança, você não terá sucesso na empreitada. 

Junto com esse estudo, tenha fé de que tudo é possível quando você realmente quer algo. 

Já trabalhando nesse processo, comece agora a se visualizar no estado de saúde que você almeja. Visualize-se no seu peso ideal, com energia, vigor e beleza e sinta essa verdade dentro de você. Faça essa visualização todos os dias ao acordar e ao dormir. Acredite, é possível. 

# 3: Lembre-se que a aprendizagem de adultos é diferente

O aprendizado de adultos difere do das crianças, principalmente porque adultos trazem consigo uma série de experiências de vida. Já as crianças trazem uma quantidade ilimitada de entusiasmo, curiosidade e energia, mas muito pouca experiência de vida. 

Os adultos trazem entusiasmo e curiosidade, mas nem sempre têm energia.  

Assim, é realmente importante que qualquer educação que você recebe como adulto inclua uma apreciação e inclusão de todos os seus aprendizados e experiências de vida, tendo assim a oportunidade de processamento, integração, e prática da teoria com sua experiência pessoal. 

Muitas vezes, sentimos que temos que deixar nossos velhos “eus” para trás. E isso não é verdade. Queremos trazer nossos velhos “eus” com sua riqueza e integrá-los, renovando seus conceitos e aplicando nossos aprendizados. 

Mas nem sempre aprender algo novo é totalmente divertido, mesmo para aqueles de nós que ama aprender. Existem desafios ocasionais no processo de aprendizado dos adultos.

A aprendizagem é realmente sobre mudança – mudança de atitude, mudança de comportamento e mudança de crenças.

Existe uma parte do nosso cérebro que reage a qualquer tipo de mudança.  É o nosso Cérebro Reptiliano ou Cérebro Basal ou Tronco Cerebral.

Esse primeiro nível de organização cerebral é capaz apenas de promover reflexos simples, o que ocorre também em répteis, por isso o nome “reptiliano”. 

Conhecido como “cérebro instintivo”, tem como característica a garantia da sobrevivência, além de ser responsável pela regulação das funções e sensações primárias como fome, sede, sono, dentre outras.

Então, se a aprendizagem de adultos é a base de mudanças, você pode esperar que o seu cérebro reptiliano reaja a essas mudanças, com os seguintes comportamentos: tentar te deixar paralisado, fazer com que você queira fugir ou lutar.  Muito comumente, as respostas do Cérebro Reptiliano se apresentam como um desses pensamentos ou sentimentos:

  • Na forma de Perfeccionismo: “Eu tenho que fazer atividade física todos os dias por duas horas , começando hoje, ou então é melhor nem fazer”. Respeite o seu ritmo e comece devagar.
  • Sentimento de opressão: “Oh meu Deus, estou tão sobrecarregado que não sei por onde começar. É melhor fazer depois.” Comece começando. Não deixa para amanhã, comece hoje com pequenas atitudes, por exemplo, sair para caminhar ou cortar o carboidrato da manhã.
  • Sentimento de estagnação: “Eu não consigo começar e nem fazer nada.”
  • Sentimento de culpa: “Não estou conseguindo tudo que me propus e sou péssima, melhor desistir”.
  • Comparação: Às vezes, ao ver os comentários de outras pessoas, que estão conseguindo efetivar as mudanças nesse âmbito, pode te dar a sensação de que os outros estão fazendo mais ou melhor do que você e isso te coloca pra baixo.

É totalmente normal ter um ou todos esses sentimentos quando aprendemos algo novo. Na verdade, seria anormal não experimentar algum aspecto desses sentimentos. Quando esses sentimentos vierem, perceba que isso é apenas seu cérebro reptiliano tentando mantê-lo seguro.

Quando o Cérebro reptiliano enlouquece com a possibilidade de mudança, o córtex (a parte do seu cérebro racional) tenta justificar essa reação com uma razão lógica para surtar. Ou seja, irá procurar argumentos bem plausíveis para fazer você desistir. 

Em outras palavras, nós amamos anexar história ou significado a nossos sentimentos negativos ou indesejados. Sempre que temos sentimentos negativos tendemos a atribuir significado a isso, porque assim podemos ter esperança de consertar o que está nos fazendo mal ou escapar de alguma forma. 

# 4: Fique atenta para as expectativas irreais

Essencialmente, quando estamos tentando mudar,  uma parte de nós tenta criar alguma razão lógica para desistir do processo. Pode, por exemplo, criar uma expectativa irrealista, para que você realmente não tenha sucesso e esteja certa ao desistir. 

Tipo, querer emagrecer 25 quilos em 1 mês. 

O cérebro reptiliano está com medo. E outra parte do cérebro conhecida como córtex pensa: “Bem, eu não estou fazendo isso direito, já fiz um mês desse negócio e perdi só 3 quilos. E, portanto, eu vou desistir.” 

Crie expectativas realistas. Seja honesta com você mesmo. Se você quer perder 25 quilos, analise quanto tempo você gastou para ganhar 25 quilos, e estabeleça um prazo plausível para eliminar o peso extra. 

Mas uma parte sua quer mudar, e daí se estabelece o conflito. Perceba, então, quando estiver tentando criar uma desculpa para desistir, que isso é apenas o medo de mudar. Medo do novo é uma defesa natural do seu cérebro mais antigo, encarregado da sua sobrevivência. 

# 5 – Tenha um diário

Mesmo que você não goste, desenvolva o hábito de fazer anotações sobre sua rotina alimentar, seus medos e anseios, suas percepções e também fazer os exercícios propostos no seu diário. É essencial para o seu sucesso. Vença a resistência e faça. Perceba que todos os grandes homens de sucesso no mundo indicam o uso de um diário. 

Uma dica:  ao invés de dizer: “Eu não sei como fazer isso” é perguntar: “Como eu posso fazer isso?”

# 6: Integre-se a uma comunidade

A união, de fato, faz a força e toda a diferença no seu processo de mudança. 

Primeiro, é preciso se afastar de pessoas que ainda cultivam os antigos hábitos que você deseja agora mudar. Evite conviver com pessoas negativas e que exaltam o estado de não saúde como algo divertido e prazeroso. Isso é uma ilusão, ter saúde de verdade é muito mais prazeroso do que comer batata frita com refrigerante. 

Não seja tímido e busque uma nova turma que tenha os mesmos interesses que você. 

Faça parte de um clube de corrida, vá remar e se enturme com a galera dos esportes, entre para um clube de meditação, reinvente-se! 

É apoiando pessoas que também estão nessa jornada que você recebe apoio. 

# 7: Seja sua melhor amiga

Como diz nossa poetisa linda, Cora Coralina: “O amigo não passa a mão quando fizemos algo errado, está firme ao nosso lado, puxa a orelha, chama à razão”

Espero que essas dicas possam te auxiliar e que você tenha sucesso!

De passo a passo vá avançando. 

Boa sorte e um grande abraço! 

Comentários