Do Direito à Gastronomia

Escrito por Julia Murça

02 de janeiro de 2018

Olá! Quero compartilhar um pedaço da minha jornada com você: Do direito à gastronomia.


Em outubro de 2016, participei de um seminário sobre propósito de vida que me trouxe uma grande reflexão: do que eu gostava de brincar quando era criança? Eu não conseguia me lembrar direito.

Sabia que adorava brincar de escolinha, de escritório e de enfermeira. Perguntei aos meus pais. Meu pai disse que era de comidinha e de professora. Minha mãe disse que era de enfermeira e aeromoça.

Hoje vivo um pouco de cozinha e um pouco de escola. Dois dons que se conectam ao meu propósito. Mas antes de chegar aqui, fui advogada por 10 anos da minha vida. 5 anos como estagiária, até concluir a graduação e passar na OAB, e 5 anos como advogada. Aprendi muito com o Direito. Principalmente sobre mim mesma.

Aprendizado

Influenciada pelos meus pais, me formei em direito precocemente e fui advogada por 5 anos, sempre sentindo que ali não era o meu lugar. Chegava no escritório querendo ir embora e questionava toda a estrutura do escritório ao tribunal. Mesmo assim, achava o Direito em si muito lindo.

Costumava falar que Direito Constitucional, por exemplo, devia ser matéria obrigatória na escola. Só assim poderíamos mudar o mundo.

Mas o Direito em si não é nada justo. Na faculdade escutei muito isso: que o Direito não era justo. Tinha sérias dificuldades em atuar em prol de um cliente em quem eu não acreditava. Entendi cedo que, para ser uma advogada de sucesso, precisaria fazer alguns acordos.

Costumo dizer que o Direito mostrou o pior e o melhor de mim. Num mundo de aparências, meu ego foi nutrido e estimulado pela arrogância sem fim. Me distanciei de mim mesma, para poder jogar com a ironia e agressividade num meio onde essas duas características são enaltecidas.

E sincronicamente, foi neste mundo que aprendi a trabalhar com afinco, correr atrás do que queria e principalmente de resolver os problemas que se apresentavam diante de mim. Foi ali também que aprendi grande parte da arte de se relacionar com as pessoas no ambiente de trabalho. E tudo isso foi comigo pra cozinha.

Todos os acontecimentos na nossa vida podem servir ao nosso aprendizado. E eu aprendi muito durante os meus anos de advocacia. Não existem fracassos, apenas aprendizados.

Durante muito tempo segui achando que essa seria minha profissão e pronto. Mas lá dentro, um incômodo crescia, me avisando que a cada passo na carreira, estava na verdade me afastando do meu propósito. Estava cada vez mais longe meu caminho verdadeiro. O caminho do meu coração.

Hoje vejo com clareza os sinais. Quando estamos fora do nosso caminho, quando perdemos a nossa trilha, surgem vários pequenos ou grandes acidentes. Doença, tristeza, vícios. A irritação também é um sinal. Tudo pra te alertar, que existe um outro caminho a sua espera. O caminho da sua alma.

Desejo mesmo de mudar

Para me distrair, resolvi cursar a faculdade de gastronomia. Amei a faculdade desde o primeiro dia. Tão diferente da faculdade de Direito. Me apaixonei pela cozinha instantaneamente. Me sentia mais livre e relaxada.

Na cozinha pouco importa quem você é, o quanto de dinheiro você tem ou se você é um pouco louca. O que importa é se você sabe cozinhar. Conheci um novo mundo. Pessoas interessantes, ousadas e espontâneas. Diante do espelho, percebi que tinha perdido a minha espontaneidade já a algum tempo.

Meu processo de mudança de carreira, teve muito mais a ver com um desejo intenso de mudar interiormente do que com uma escolha racional.

Começou com uma crise no casamento, aparentemente perfeito aos olhos alheios. Também comecei a questionar sobre meus hábitos e vícios. Vi surgir um desejo sincero de me relacionar de forma saudável comigo mesmo e com todos a minha volta. Para isso precisei entender o complexo jogo dos relacionamentos e erradicar alguns da minha história.

Resultou num divórcio, a mudança de carreira e minha ida para fora Brasil. E isso era só o começo.

Muita gente quer mudar, mas não quer pagar o preço da mudança. Para mudar, temos que estar dispostos a morrer e nascer de novo. A principal dificuldade pra mim foi atravessar o vale da incompreensão e desdenho daqueles que não querem mudar.  Tive que seguir em frente, firme no propósito de me livrar de crenças imitantes e escrever uma nova historia.

Fui chamada de louca pela família. Largar um casamento “perfeito”, deixar de ser advogada para ser cozinheira, ir embora pro outro lado do mundo sozinha. Mas quer saber? Valeu muito a pena. Hoje sou mais eu. Hoje sou muito mais feliz. Recuperei minha autenticidade, minha liberdade. Voltei a ser espontânea e alegre. Me dou bem com todos, por que me dou bem comigo mesma.

Um mundo de possibilidades

Já cursando a faculdade, fui jantar no restaurante I Maestri, do Rodrigo Sanches. Um dos restaurantes mais famosos de Brasília. Funcionava num barco. Foi uma experiência marcante. Fiquei impressionada com a comida, o ambiente, o atendimento. Pensei comigo mesma que queria fazer um estágio ali. Após algumas taças de vinho, me dirigi a cozinha e pedi para conhecer o chefe. Me apresentei e pedi um estágio para ele. Ele disse que eu o procurasse durante a semana no Hotel Blue Tree aonde também era chefe.

Consegui o estágio. Não no barco aonde queria, mas no Hotel. Foi lá que tudo começou.

No Hotel, eu atuava em todas as áreas da cozinha, sempre fazendo os serviços mais maçantes. Sabia que todo começo era assim. Enquanto trabalhava, observada os cozinheiros fluindo entre panelas, fornos e pratos prontos. Lindo. Tudo parecia tão fácil para eles. Relaxados, brincando e rindo.

Num dia qualquer eu estava fazendo parte da brigada do room service do hotel.  De repente, me vi sozinha e um monte de papeleta de pedidos chegando. Um dos garçons brincando comigo me disse: “E aí, vai soltar?

Não titubeei. Comecei a trabalhar e soltar os pedidos com desenvoltura. Sem saber, eu estava sendo assistida pelo Chefe. Depois disso, ele me deu uma chance no barco. Não como estagiária, mas como auxiliar de cozinha, já ganhando pra isso. Fazia as piores tarefas, tipo descartar lagosta, picar 10 quilos de vegetais em mini cubos de 1 cm, lavar e limpar a cozinha. Todos os bons cozinheiros passaram por isso.

A cozinha tem essa filosofia. Para se tornar um grande chefe você tem que se colocar nos sapatos de todos que trabalham na cozinha. Tem que saber fazer de tudo, em todas as áreas. Dessa forma, quando você for chefiar a operação, compreende o cenário e navega melhor.

Oportunidades

Antes de terminar a faculdade um dos meus professores me chamou para trabalhar com ele no Patú Anú, outro restaurante famoso de Brasília. Comecei a perceber que tinha talento. Meus ídolos da cozinha me falavam isso.

Antes de terminar a faculdade chefiei meu primeiro restaurante. A pedido do Rodrigo Sanches, assumi uma cozinha italiana, que ele havia remodelado. Quando questionei seu convite, perguntando se ele achava que eu estava mesmo pronta, ele respondeu: “Você tem tudo que precisa. Paixão pela cozinha, coragem e disposição. O resto você aprende”.  Guardei aquelas palavras no meu coração e vi que serviam para todas as situações na vida.

No começo eu ia para a cozinha apavorada todas as noites. Sexta e sábado eram piores. Chegava a passar mau antes de entrar. Mas com pouco tempo e ajuda preciosa de colegas, fui aprendendo o tempo da cozinha, o tempo de cada comida. Aprendi que não podia pensar em mais nada. Tinha que ficar totalmente presente. Só depois me dei conta de que havia aprendido a meditar ali, naquela cozinha.

A gastronomia não era mais um hobby, era um mundo de possibilidades. A cozinha abre as portas do mundo. Aonde quer que você vá, sempre tem cozinhas. Todo mundo precisa comer. Essa ideia não saia da minha cabeça. Podia ir para qualquer lugar do mundo, pois teria trabalho. E já tinha algum tempo que eu queria viajar pelo mundo.

Ponto da virada

Larguei meu trabalho como advogada e sob protestos familiares fui viver na e da cozinha! De lá pra cá foram 9 anos. Cheios de histórias, muito trabalho, muitos desafios e muita alegria! Esta alegria me dava a certeza de que tinha feito a escolha certa.

Ganhei o mundo. Fui estudar cozinha de vanguarda no Instituto Argentino de Gastronomia em Buenos Aires. Já como chefe, fui pra Austrália, onde fiz um curso de gestão em hotelaria, e lá trabalhei por 2 anos.

Foi num café chamado Purewhole Food que minha jornada mudou mais uma vez.

Lá conheci pela primeira vez a proposta de uma alimentação saudável e orgânica a nível gastronômico, com alimentos sem glúten, sem açúcar e sem lactose. Meus chefes conheciam bem o assunto desintoxicação/nutrição e compartilhavam muito comigo. Um novo mundo se abriu para mim. Vi que era possível fazer pratos deliciosos, gastronômicos e saudáveis! A minha descoberta me encheu de alegria!

Sempre me alimentei bem, mas não via como aplicar os conceitos da alimentação saudável nos restaurantes aonde tinha trabalhado. Quando conheci este lugar, percebi que poderia fazer pratos, pães e sobremesas saudáveis e incríveis.

Mensageira da saúde


Comecei a estudar tudo que encontrava sobre desintoxicação e nutrição. Muita coisa que eu considerava saudável, pelo contrário, faziam mau. Descobri a verdade sobre muitos mitos alimentares que persistem por aí até hoje.

Dentro destes estudos percebi que eu estava intoxicada, em razão de vários sintomas. Comecei a fazer vários protocolos de desintoxicação e literalmente guiada pela força maior, fui parar na Tailândia, num lugar chamado The Sanctuary, aonde vivi uma experiência de desintoxicação que mudou a minha vida!

10 dias em jejum, tomando argila, fazendo colonterapia com café todos os dias, meditação, ioga e banho de mar. Experienciei uma energia fantástica, uma força incrível, clareza mental e muita, muita esperança. Tinha dentro de mim a certeza que poderia realizar qualquer coisa que eu quisesse. No décimo dia tive o insight que mudou minha jornada mais uma vez! Vi com clareza minha missão,  meu propósito! 

Chegando no Brasil, facilitei diversos grupos de desintoxicação, com o protocolo do Dr. Richard Anderson, médico pesquisador, dono da empresa Arise & Shine,  o protocolo que vivi na Tailândia, que havia mudado a minha vida.

Durante as vivências de desintoxicação percebi que as pessoas precisam muito de informações sobre como se alimentar na vida pós Detox. Isso era primordial para o sucesso da vivência.
Decidi que seria uma mensageira da saúde. Queria ajudar as pessoas a transformar as suas vidas através da alimentação, quebrar os mitos e mostrar a verdade sobre o alimento em todas as suas formas. Assim, estaria ajudando as pessoas a ir atrás dos seus sonhos e cumprir seu propósito.

Comecei a buscar saúde no detalhe. Pesquisei e entendi o que era necessário para se ter uma saúde incrível. Minha jornada ganhou mais clareza e força. E cada vez mais a vida me mostrava como cumprir meu propósito.

Puro Refeições


Voltei para o Brasil e abri meu primeiro negócio. Uma empresa chamada Puro Alimento. Fazia pratos congelados, pães e sobremesas sem glúten, sem lactose e sem açúcar e vendia para as lojas e restaurantes naturais de Brasília. A ideia era um sucesso! Vendia muito. Mas a minha capacidade administrativa não. Fechei a Puro antes de quebrar e ingressei numa sociedade que me fez crescer muito. Minha sócia era bem mais experiente do que eu nos negócios, o que me faz aprender muito. Eu sabia cozinhar, mas não sabia empreender, ainda.

Germinar

O Restaurante Germinar foi um período delicioso da minha vida. Restaurante vegano e inovador.  Fazíamos comida de verdade. Deliciosa e saudável. Primeiro restaurante que entregava suco verde em Brasília.

Tínhamos alimento germinado, construtivo e gourmet. Tinha fila na porta. Na Germinar, vi minha profissão literalmente germinar.  Minha criatividade foi estimulada em razão da ideia de termos um cardápio rotativo com pratos novos todos os dias durante o mês, sem repetição. Todo dia servíamos uma salada e um prato diferente. Os clientes adoravam.

Alimentos orgânicos e frescos, combinados de forma criativa e feitos com carinho, fazia com que as pessoas voltassem sempre. Tínhamos clientes tão cativos, que criamos os planos de assinatura mensal.  Foi de lá que as pessoas começaram a me conhecer e me procurar para cursos e consultorias no segmento da alimentação saudável.

Bioon

Começamos então a fornecer os doces e salgados para o Café da Bioon Ecomercado que não tinha sua cozinha ainda. Em razão da aceitação e sucesso dos nossos produtos, fui convidada para abrir e chefiar a cozinha da Bioon. Muito trabalho, desde o desenvolvimento do cardápio até o treinamento de pessoal e finalmente abrimos as portas. A proposta de uma padaria, confeitaria e restaurante especializado em alimentação sem glúten foi a primeira no mercado de Brasília.

Cursos

Durante meu trabalho na Bioon, atendendo à vários pedidos comecei a dar cursos sobre alimentação na minha casa. Foi um sucesso. Gostei muito da dinâmica dos cursos, receber o feedback das pessoas e descobri que eu era mais didática do que imaginava. Assim surgiu o Descomplicando a Gastronomia.

Percebi que gostava muito de fazer e servir o alimento para as pessoas. Mas percebi que ensinar as pessoas sobre alimentação, e cozinhar seu próprio alimento, me conectava muito mais com meu sonho e meu propósito. Me lembrei de quando era pequena, brincando de comidinha e escola. Tinha achado meu caminho de novo. Resolvi dar o curso de gastronomia descomplicada na minha casa. Queria mostrar para as pessoas basicamente três  coisas:

  1. É mais fácil cozinhar do que se imagina
  2. É possível unir saúde e prazer na mesma garfada
  3. Podemos e devemos nos alimentar de forma construtiva sempre, excluindo do nosso cardápio sem alimentos destrutivos como glúten e açúcar.


O que aconteceu me surpreendeu. Primeiro, descobri que eu era didática, que tinha um dom para ensinar, o que foi uma surpresa para mim. Segundo, descobri que eu amava ensinar. Principalmente ensinar sobre algo que eu amava: alimentação saudável.

Os cursos presenciais se tornaram verdadeiras vivências. As pessoas se sentiam a vontade para compartilhar sua historia e suas dificuldades. E todo o grupo acolhia e ajudava. Criamos uma pequena comunidade.

Muitas pessoas que fizeram o curso conseguiram efetivar a mudança.

Expandindo a mensagem

A ideia do curso Descomplicando a Gastronomia na versão on Line veio da vontade de levar a mensagem a mais e mais pessoas. Eu acredito que se reconectando com a natureza, e principalmente com o alimento, ganhamos força e coragem para cumprir nosso propósito. Aprendendo a cozinhar, ganhamos autonomia e liberdade para cuidar do nosso alimento, da nossa saúde e da nossa vida! Quando você não cozinha, literalmente come na mão dos outros.

Sonho

Hoje vivemos uma triste realidade. As doenças cardiovasculares decorrentes em sua maioria de um quadro de sobrepeso e obesidade são as que mais matam no mundo. São 350 milhões de pessoas com sobrepeso e 50 milhões de pessoas obesas. 

A diabetes, hoje considerada um tipo de pré-Alzheimer, já abate inclusive crianças. São 642 milhões de pessoas que sofrem com a doença.

Ambas as doenças citadas acima, dentre muitas outras, tem prevenção e cura através da simples mudança no estilo de vida, dieta adequada e exercício regular. Meu desejo é que todas percebam e conectem os seus hábitos de vida, principalmente os alimentares, com seu estado de saúde, física, mental e emocional. Dessa forma, todos podem ser saudáveis. Todos podem ser felizes.

Sonho com um mundo sem doenças. Um mundo de gentileza, harmonia e amor. Acredito que essa mudança começa dentro de cada um. Se alimentar bem é um ato de amor próprio. E quando você começa a se amar, pode começar a amar o outro.

E assim estou aqui, criando este espaço para compartilhar de forma mais abrangente minha experiência e meu conhecimento, pois este é o meu propósito!

Quando você ama o que faz, não existe separação entre vida pessoal e trabalho. Quando você vive seu propósito, tudo se conecta. Graças ao universo, hoje vivo esta verdade. Amo meu trabalho. A jornada que me trouxe até aqui foi cheia de curvas e desafios, mas também de belas flores e paisagens, guias e mestres, que muito me ensinaram. Hoje vivo meu sonho.

Viva seus sonhos

Para viver seus sonhos, você tem que ter saúde. Saúde em todos os âmbitos. Saúde física para ter vigor e energia para empreender e trabalhar com entusiasmo. Saúde emocional para não se deixar derrubar pelos obstáculos do caminho. Saúde mental, treinando a sua mente e mudando sua mentalidade para enfrentar todos os desafios da jornada com garra, calma e tranqüilidade. Alinhando estes 3, naturalmente se chega à saúde espiritual.

A saúde vigorosa depende de vários fatores, mas começa no que você come, ou melhor no que você absorve do alimento que come.

Se alimentar bem é um ato de amor!

Fontes de pesquisa:
https://www.endocrino.org.br/atlas-2015-disponivel/
http://www.scielo.br/pdf/rbme/v8n6/v8n6a06
http://pesquisa.bvs.br/brasil/resource/pt/ses-4229

Comentários