“Mas é só um pedacinho” – Não existe consumo de açúcar saudável

Tido como “vilão” da alimentação moderna, o açúcar é cada vez mais associado à epidemia de obesidade e doenças crônicas, como também é à mudança de nosso paladar e rotina alimentar, principalmente por conta do seu poder  viciante. E já adianto: não existe nível saudável de consumo de açúcar! O nosso corpo também não se importa se ele vem na versão não-refinada, orgânica ou 100% natural, já que todas causam um impacto negativo no organismo.

Sensação de bem estar: consumo de açúcar

É muito fácil associar o açúcar ao sentimento de prazer, principalmente porque ele faz com que o corpo produza hormônios do bem-estar, como a dopamina. Quando você sente aquela vontade irresistível de devorar uma deliciosa tortinha doce ou uma barra inteira de chocolate, a sensação é de que todas as delícias do mundo estão concentradas ali, não é mesmo?

O problema dessa sensação de prazer é que o açúcar ativa um sistema de recompensa no cérebro, que busca por esse estímulo constantemente. E quando o consumo de açúcar é alto, mais e mais problemas começam a aparecer, como a compulsão alimentar por açúcar e maior tolerância ao açúcar, chamada de resistência à insulina ou pré-diabetes.

Quando comemos açúcar temos um pico de prazer, leve euforia e aumento brusco de energia, seguido de uma leve melancolia e baixa de energia, geralmente cerca de 2 ou 3 horas depois do consumo. Essa melancolia e baixa de energia nos leva a querer consumir açúcar de novo. E o ciclo se repete.

Se você já sentiu essa montanha russa por conta do consumo de açúcar, sabe o quanto isso impacta no nosso humor e desempenho. O ponto principal é entender que açúcar faz muito mal e que devemos restringir seu consumo ao mínimo possível. Deixe o açúcar para ocasiões realmente especiais.

Para retirar o açúcar da sua vida diária é preciso traçar uma estratégia. Sem estratégia dificilmente você vai ganhar essa guerra. Essa transição deve ser bem planejada e assessorada por alimentos doces que saciam, mas que não contenham açúcar. Num primeiro momento, a instrução é que você continue com o consumo de açúcar. Comece a prestar atenção aos rótulos e perceba o quanto de açúcar você consome diariamente.

O segundo passo é tirar totalmente o açúcar branco da sua vida e consumir apenas açúcar mascavo, de coco, mel e melado. Isso é importante para bloquear o vício do paladar ao açúcar branco. No próximo passo, a ideia é restringir o uso desses outros açúcares e começar a usar adoçantes naturais apenas, fazendo uso de açúcar apenas esporadicamente.

Açúcar refinado: fuja!

Hoje, existe uma infinidade de açúcares embutidos nos  produtos industrializados e comercializados em padarias e lanchonetes. O pior deles é conhecido como Glucose de milho, altamente tóxica e sem  nenhum nutriente. Além disso, a glucose de milho é extremamente calórica e promove picos de glicemia, o que pode desencadear resistência à insulina e o desenvolvimento da diabetes, uma doença degenerativa grave.

A glucose de milho nada mais é do que açúcar refinado. Todo açúcar refinado é extremamente ácido, causando danos ao organismo. Além disso, ele só pode ser metabolizado com a presença de alguns minerais que foram retirados da sua composição original (caldo de cana). Dessa forma, o corpo pega cálcio, ferro e outros minerais das reservas do corpo, principalmente dos dentes e ossos para digerir o açúcar. Com esse açúcar, a energia chega rápido e vai embora mais rápido ainda, causando fadiga e mais apetite, porque o cérebro entende que precisamos de mais energia e começa a agir em um ciclo vicioso.

A sacarose é o principal componente do açúcar comum, sendo composta de glicose e frutose livre. A questão é que o corpo humano não foi feito para suportar muitas cargas de glicose no sangue, o que desequilibra todo o funcionamento do organismo.

A frutose livre (fora da sua composição original que é junto com fibras) é uma substância bem prejudicial à saúde e, muitas vezes, é vendida como saudável, por ser um açúcar extraído de frutas, quando, na verdade, é um derivado do xarope de milho. Diferentemente da glicose, a frutose não é utilizada pelas células, e não tem papel importante para o organismo. É digerida pelo fígado, que armazena o excesso, levando à doença do fígado gorduroso e posterior esteatose hepática.

Segundo um estudo de 2012 realizado pela UCLA, uma dieta rica em frutose dificulta a aprendizagem e prejudica a memória ao retardar, literalmente, o cérebro. Os pesquisadores fizeram estudos com ratos e descobriram que os que consumiam muita frutose livre acabavam danificando as atividades sinápticas do cérebro, ou seja, prejudicando a comunicação entre a células cerebrais.

Mas e os adoçantes?

Muita gente associa adoçantes a um consumo de açúcar, mas não é bem assim. Os adoçantes sintéticos como a sucralose, sacarina e aspartame, por exemplo, não são recomendados por não trazerem nenhum benefício à saúde e serem apontados como agentes cancerígenos. Já os adoçantes naturais como xilitol e stevia podem  ser utilizados normalmente.

Os açúcares naturais, como o de coco e  mascavo, apesar de serem açúcares e causarem picos de índice glicêmico, contêm alguns minerais e vitaminas. O açúcar demerara é tão ruim quanto o açúcar refinado.

Açúcar light pode, né?

Negativo! Eu sei que a proposta é reduzir pela metade o valor calórico em relação ao refinado, mas isso não é uma coisa necessariamente boa. Digo isso porque a outra metade do açúcar é composta por adoçante artificial como aspartame ou sucralose, que causam desequilíbrio na flora intestinal,infecções urinárias e distúrbios no controle da fome pelo hormônio grelina.

Nem o açúcar de coco?

De fato, na hora de pensar no consumo de açúcar, esse é realmente o melhor, mas claro, nada em excesso. O ponto positivo é que ele tem um índice glicêmico relativamente menor e adoça muito bem. Além disso, tem minerais e vitaminas que não estão incluídos nos outros açúcares. Mas mesmo assim, continua sendo açúcar e deve ser usado com moderação.

Para o corpo não existe pouco quando se trata de veneno. Entenda que se você comer apenas de vez em quando (de vez em quando mesmo), está bom.  Seu corpo pode lidar com isso e administrar o estresse causado pelos picos de glicemia. E você, estando saudável, vai se autolimpar rapidamente.

O que não dá certo é o consumo de açúcar todos os dias e várias vezes ao dia (nada de radicalismo meninas, o caminho é o do acolhimento, açúcar faz muito mal, mas as pessoas são muuuito viciadas e a conscientização tem que vir aos poucos).

Se você quer saber mais sobre o consumo de açúcar, tenho outro artigo onde falo sobre os tipos de açúcar e ainda apresento algumas receitas doces deliciosas que não levam açúcar.  Você pode acessar aqui o artigo completo.

Para saber mais sobre alimentação e vida saudável me acompanhe pelo meu site e redes sociais. Além de informações, você também pode aprender diversas receitas e receber várias dicas para ter mais saúde e bem-estar!

Até a próxima!

Abraços

Julia Murça