Pavê de Castanha de Caju e Cacau

Escrito por Julia Murça

26 de setembro de 2017

Mais uma receita que nasce da vontade de comer algo doce e diferente. Esse Pavê de castanha de caju e cacau é fácil de fazer e fica uma delícia! Saboroso, nutritivo e lindo!

Pavê de Castanha de Caju e Cacau

Pavê de Castanha de Caju e Cacau

Castanha de caju

Este Pavê de castanha de caju e cacau foi feito a base de castanhas, mas principalmente castanha de caju. Linda Castanha de Caju! Uma semente oleaginosa muito rica.  Uma das castanhas que eu mais gosto. Gosto delicado, muito versátil. Costumo usá-la em pratos salgados e doces. Às vezes faço um estrogonofe vegetariano com o creme de castanha de caju no lugar do creme de leite. Arrasa! E uso a Castanha de Caju como creme doce em várias preparações.

Nutrientes

  • Vitamina E e K
  • Folato
  • Cálcio
  • Ferro
  • Magnésio
  • Fósforo
  • Potássio
  • Selênio  

http://nutritiondata.self.com/facts/nut-and-seed-products/3095/2

Benefícios

Rica em proteínas e lipídios, seu óleo contém cerca de 70% de monoinsaturados, ou seja, um óleo leve, energético, muito parecido com o azeite de oliva que contém 76%.

Sua composição média é de 26,4% de carboidratos, 47,2% de gordura e 19,6% de proteínas, além de fósforo, ferro e cálcio.

  • Atenção: Para se chegar ao produto castanha de caju que encontramos à venda, ela passa por alguns processos: Primeiramente cabe dizer que a castanha que compramos como crua, não é crua, pois toda castanha de caju, para soltar da casca, precisa passar por um processo de cozimento a 200ºC. Já a castanha vendida como assada, após este processo de cozimento para desprender-se da casca, é levada ao forno para tostar.
  • A castanha torrada e salgada, na verdade, não é tostada e sim FRITA! Pois é,  ela é frita em gordura hidrogenada punk para dar crocância, aroma e sabor.  A crocância acontece por imersão das castanhas em gordura vegetal hidrogenada (gordura trans), a 135ºC por 1-2 minutos. Ou seja, nestas condições, ganha-se na crocância, perde-se nas suas valiosíssimas propriedades nutricionais e acrescenta-se uma carga tóxica: a gordura trans e os subprodutos da sua degradação térmica.
  • O melhor aproveitamento das suas propriedades terapêuticas é feito quando a castanha é consumida sem torra (pseudo-crua, pois foi cozida para ser extraída) e sem adição de sal e outros aditivos.
  • Idealmente, as castanhas devem ser colocadas de molho por 4 horas, dessa forma, hidratadas, são melhor absorvidas.
    https://www.docelimao.com.br/site/linhaca/536-a-castanha-de-caju.html
  • Ingredientes

    *Receita sem glúten, sem lácteos, sem açúcar e sem farinha*.

    • 100 g de castanha de caju demolhada por 8 horas
    • 100 g de tâmara demolhada por 8 horas
    • 50 g de castanha do Pará
    • 50 g de semente de abóbora
    • 25 g de farinha de mandioca flocada caseira
    • 1 pitada de sal
    • 2 xícaras de água de coco
    • 2 colheres de sopa de óleo de coco
    • 2 colheres de cacau de boa qualidade

    Modo de fazer

    1. Em uma frigideira, aqueça 1 colher de sopa de óleo de coco e coloque a semente de abóbora e a castanha do Pará picadas em pedaços menores até que dourem levemente. Mexa sempre.
    2. Desligue o fogo e acrescente a farinha de mandioca e a pitada de sal. Reserve.
    3. No liquidificador, bata as castanhas com 1 xícara de água de coco e 1 colher de sopa de óleo de coco. Reserve.
    4. No liquidificador, bata a tâmara com 1 xícara da água (usada para deixar a tâmara de molho) e o cacau. Reserve.
    5. Monte como desejar em um copo ou taça. Eu coloquei nessa ordem: creme de cacau, mix de castanhas e sementes, creme de castanha de caju e um pouco mais do creme de cacau para finalizar.

    Conservação

    Em geladeira por até 5 dias.
    Fica lindo! Sirva gelado, pois fica ainda mais gostoso. Mas se você não conseguir esperar, pode comer assim mesmo, pois já está pronta!
    Abraço forte!

    Comentários