Você tem fome de quê?

Escrito por Julia Murça

11 de setembro de 2019

A vida de todos é complicada,  e as melhores intenções se perdem no caminho da construção da saúde com diversas desculpas:  falta de tempo, pouca energia ou simplesmente preguiça. Os maus hábitos, assim como mágoas e lembranças ruins persistem, simplesmente porque as pessoas não querem mudar.

Existe contudo um importante fator motivacional geralmente pertinente a todos: a busca pela felicidade!

Felicidade, como um estado de satisfação, é perseguido por todos que eu conheço. Ou seja, todos querem estar satisfeitos. Então a pergunta básica é: Você tem fome de quê?  Esse desejo, essa fome irá te guiar ao encontro do seu destino e da sua felicidade.

Sua fome pode estar baseada em desejos profundos,  como ser amada, ter segurança, carinho, atenção, propósito, saúde e outras muitas possibilidades, ou pode estar baseado em premissas falsas ou rasas, como excesso de  comida, sexo, consumo, álcool, tudo aquilo que você deseja, mas quando adquire, percebe que não te fez feliz ou bem.

Desejos falsos

Desejos falsos nos levam para o rumo errado. Faça um pequeno teste para comprovar isso. Da próxima vez que você for a geladeira faça uma pausa antes. O que te levou a procurar comida?

  1. Você está com fome e precisa comer
  2. Você está tentando preencher um vazio e a comida é a forma mais rápida de fazer isso

Estudos recentes têm pesquisado os gatilhos que disparam o impulso de comer. O corpo secreta hormônios e enzimas que ligam o centro da fome em nosso cérebro ao estômago e ao aparelho digestivo. Quando somos bebês só reagíamos a esse estímulo e chorávamos quando tínhamos fome. Agora acontece o inverso: quando temos vontade de chorar, sentimos fome.

Ao longo da vida, criamos novos gatilhos. A depressão é um gatilho bem conhecido para o excesso alimentar. Assim como estresse, perdas súbitas, tristeza, raiva reprimida, tédio, dentre outros.

A maioria de nós não consegue distinguir quando um hábito alimentar está sendo estimulado por esses gatilhos, pois geralmente é um ato inconsciente. É por isso que são tão poderosos, pois costumamos responder a eles automaticamente, sem pensar.

O que estimula você a comer em excesso?

 

Faça uma autoavaliação e perceba o que te leva a comer em excesso ou quando você não está com fome:

Lista A

  1. estou ocupado ou distraído no trabalho
  2. estou com pressa
  3. estou cansado
  4. estou com outras pessoas que estão comendo
  5. estou no restaurante
  6. estou diante da TV ou computador
  7. tem um prato cheio na minha frente e sinto que tenho que esvaziá-lo

Lista B

  1. estou deprimido
  2. estou sozinho
  3. não estou me sentindo atraente
  4. estou ansioso ou preocupado
  5. tenho pensamentos negativos em relação ao corpo
  6. estou estressado
  7. quero um consolo

Basicamente nossa relação com a comida se dá de 4 formas:  nutrição, distração, conforto ou recompensa/culpa.

Se os gatilhos que você listou estão em sua maioria na lista A, sua relação com a comida está mais baseada na distração. Esses gatilhos são mais fáceis de superar. É preciso prestar mais atenção aos seus hábitos alimentares, para que você perceba o que está comendo e como está comendo, e possa conseguir controlar a comilança desatenta.

Uma boa estratégia para sair disso é procurar algo saudável para se distrair no lugar de comer.

Os gatilhos da lista B refletem uma relação de busca por conforto/recompensa através da comida, ou por sentimento de culpa. Esses gatilhos estão mais relacionados a falta de algo na sua vida. Você tem fome de algo além da comida Dar mais atenção nessas coisas será a melhor forma de equilibrar essa relação. O seu caminho não é de privação, mas sim encontrar satisfação em outras coisas além da comida.

Atitude

Agora que você já conhece os gatilhos te levam a comer, é hora de contar até 10 antes de tomar uma decisão em relação a comida. Em vez de simplesmente reagir automaticamente ao estimulo de buscar comida, permita-se encontrar um jeito de escolher o que realmente deseja.

Inicialmente,  existem atitudes que podem te ajudar:

  1. Faça uma pausa e respire fundo
  2. Verifique se algum ou alguns dos gatilhos listados acima estão presentes
  3. Uma vez identificado o gatilho, avalie se você realmente quer comer determinado alimento ou se pode encontrar uma atividade alternativa (algo que adie essa reação ao gatilho) – pode ser ligar para um amigo, ler um livro, dançar, ouvir música, caminhar ou beber bastante água com limão por exemplo.

Qualquer distração inofensiva serve. O seu objetivo é inserir uma pausa antes de reagir automaticamente ao gatilho.

Você tem fome de quê?

Basicamente você precisa responder a pergunta “Você tem fome de quê?” de forma sincera. Basicamente, as respostas chaves são:

  • tenho fome de comida
  • quero preencher um vazio emocional
  • quero preencher um vazio mental (autoestima baixa, imagem corporal ruim, sentimento de fracasso, frustração)
  • quero preencher um vazio da alma

Essas motivações abastecidas pelo desejo são muito fortes. Uma vez que o desejo tome o rumo certo, pode acontecer uma verdadeira transformação.

Um bom caminho para sair desse comportamento automático em relação a comida é se nutrir intensamente. Primeiro faça uso de alimentos bons, frescos, vivos e orgânicos: vegetais, frutas, sementes, castanhas, grãos germinados, cogumelos e ervas.

Em segundo lugar, abra espaço na agenda para um Menu de nutrição!

Menu de Nutrição

Nem só de comida vive o ser humano. Nutrição é muito mais do que comida e, por isso, você precisa descobrir outras formas de nutrição. Invista em coisas que te fazem bem e trazem bem estar, além da comida. Aqui uma lista com ideias para você se nutrir bastante e não sentir falta de nada.
  1. Contato com a natureza
  2. Massagem
  3. Sauna
  4. Banho de banheira
  5. Aromaterapia
  6. Uma boa conversa
  7. Um bom livro
  8. Um bom filme
  9. Meditação
  10. Musicoterapia
  11. Dança
  12. Yoga

Nutrindo-se com coisas saudáveis, você vai se alimentar apenas quando tiver fome de comida e não quando a sua fome for emocional, ou seja, não vai buscar na comida consolo, segurança, amor, vínculo com outras pessoas, ou alegria.

A nossa fome por uma vida relevante e significativa deve ser preenchida para que essa fome emocional insaciável cesse. Invista tempo para se conhecer melhor a cada dia, e também conhecer e definir seus propósitos de vida e correr atrás dos seus sonhos. Essas são as necessidades da nossa alma. Percorrendo esse caminho você irá viver com mais leveza e saúde.

Com amor,

Julia Murça

 

Comentários